Passam por mim, sinto-lhes os passos...no ar a suas respirações e nem por isso uma palavra. Mas existem, são os outros. São gentes...gentes que cruzam o meu caminho e em mim deixaram o seu rasto.
Partes de mim, silêncios meus e até sombras de uma vida...

Um lugar, várias histórias e uma imensidão de palavras constituem a verdadeira essência das"Gentes" da minha terra.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Algures por aí...


Ouves o que dizes? Interpretas as tuas palavras? Sentes cada letra? Ou simplesmente reconheces no teu ego a única resposta para as minhas questões?
Sabes que existo? Conheces a minha dor? Recordas os meus gestos? Ou simplesmente reconheces no meu ser a única razão dos teus problemas?
Sinto-me perdida em tudo o que me envolve, caminho por um labirinto de sensações, sigo as pegadas do desencontro e receio encontrar o fim de um início que nunca conheci.
Procuro uma resposta a cada instante, nos outros encontro conselhos a cada esquina mas na minha terra não há quem perceba a razão que me move.
Continuo a caminhar por caminhos redundantes mas não te encontro...onde estás “outro” que me completas mas não me assumes? Onde estás devaneio de uma viagem que não me respondes?
Estarei louca por acreditar no invisível e lutar pelo o inexistente? Estarei apenas cega por crer no difícil e aceitar o complicado? Ou estarei apenas a provar a mim mesma que estou para além do inalcançável?
Respiro, caminho para além daquilo que me envolve e procuro um sinal...

Até breve!



4 comentários:

o mesmo de sempre. disse...

...


nao tenho nada para comentar. ja se foi esse tempo. entendo-te.

Lyla disse...

Mas há sempre algo a dizer, algo acrescentar...

o mesmo de sempre. disse...

e vale a pena?
sinceramente nao.
se nao foi dito,se nao olharam, é porque nao importa mais.

o mesmo de sempre. disse...

és tu/eu/eles/elas que nao desistem cá dentro que devem seguir a viagem. nós sim que devemos partir,as marés,os ventos,as vagas,as rajadas, teimam mais dia menos dia em cedêr. chega muito bem "tudo que temos cá dentro" como diz o livro. o que nao está "cá", é porque nao nos alcança.
ponto.