Passam por mim, sinto-lhes os passos...no ar a suas respirações e nem por isso uma palavra. Mas existem, são os outros. São gentes...gentes que cruzam o meu caminho e em mim deixaram o seu rasto.
Partes de mim, silêncios meus e até sombras de uma vida...

Um lugar, várias histórias e uma imensidão de palavras constituem a verdadeira essência das"Gentes" da minha terra.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Um outro "Eu"



Era uma vez uma miúda, uma miúda que comigo partilha o tempo e o espaço, os momentos e os sonhos, mas nem sempre me acompanha nos desejos.

É uma rapariga animada e sorridente, pelos menos é assim que muitos a definem.

São muitas as vezes que a vejo sorrir à vida e a lutar por um desejo infinito de felicidade, mas há algo que não entendo nesta minha companheira.

Não percebo o medo que a envolve, nem os fantasmas que constrói dentro de si. Já tentei interpretar e definir as suas ansiedades, mas dou sempre por mim a discutir com um vazio de incertezas.

Sei que à sua volta construiu uma barreira, uma barreira assente em desilusões e frustrações contínuas. Sei que por trás do seu sorriso esconde, por vezes, uma auto-estima tímida e traída. Sei que receia a felicidade por achar que não a merece e desconfia do amor que se aproxima.

Foram tantas vezes que lhe pedi para não escrever argumentos dramáticos e realizar filmes complexos, mas nem sempre me deu ouvidos.

Mas ontem voltei a partilhar com ela lágrimas de uma dor que não se justifica, de um medo que não existe e de uma angustia que não se explica.

Depois de algumas palavras desconexas reconheceu que negar a felicidade por medo de amar demais seria loucura...sorrimos e tornamo-nos uma só.

Até breve!

2 comentários:

Carina Rocha disse...

Adorei ler...

Lyla disse...

Obrigada :)

Também adorei escrever!**